Museu Histórico e Pedagógico Dr. Washington Luís apresenta o Projeto Cultural ‘Há 100 anos’

31/07/2018

Museu Histórico e Pedagógico Dr. Washington Luís apresenta o Projeto Cultural ‘Há 100 anos’
Nessa semana a Pesquisadora Cultural Luciana Squarizi, que integra a equipe do Museu Histórico e Pedagógico Dr. Washington Luís, divulgou a apresentação inicial de um Projeto bem interessante, que resgata fatos históricos da cidade. São fatos narrados por jornais locais há 100 anos. Confira:PROJETO CULTURAL: “HÁ 100 ANOS…”

APRESENTAÇÃO

Batatais é uma cidade que, contando sua idade desde o povoado tem pouco mais de 200 anos, sendo fácil encontrarmos fatos e objetos centenários conservados pelo Museu Histórico e Pedagógico Dr. Washington Luís.
Desta forma, a equipe do Museu, pensando em formas de compartilhar o conhecimento e história com a população, teve a ideia de lançar um olhar mais atento para o acervo e buscar entre os objetos e documentos, os que podem trazer e fazer um certo sentido para quem aqui reside ou morou pelas bandas do antigo arraial conhecido como Campo Lindo das Araras, atual Batatais.
Propondo a parceria com os programas de rádio para esta divulgação, não encontramos uma maneira de apresentar objetos e fotografias, porém contamos com uma excelente coleção quase completa de jornais impressos, livros e trabalhos escritos sobre diferentes épocas, aspectos e personagens de Batatais, que são usados, como rico material para pesquisadores.
Daí surgiu o projeto ‘’Há 100 anos…” com a proposta de levar a informação que circulava nos jornais da cidade sobre Batatais e seus moradores, com inserções de pílulas da história na programação do rádio, durante todo o mês.

O jornal usado como base das informações para 1918, era denominado de GAZETA DE BATATAES, que já estava no seu 11º ano de circulação, ou seja, surgiu pelos idos de 1907. Seus proprietários e diretores eram membros de família ainda existente em Batatais, a família TAMBELLINI. Batatais, apesar de pequena cidade, possuía mais 3 jornais, e 1 em Altinópolis, todos também de pequeno formato, a saber: A CIDADE (Proprietário: J. BARBOSA JUNIOR e redator: DR. JOSÉ ARANTES JUNQUEIRA; fundado em abril de 1916; a oficina tipográfica ficava na Rua Coronel Joaquim Rosa, 11), A TRIBUNA DO POVO (fundado em fevereiro de 1913, tendo como redator JONAS RAMOS) , O CASTELLO (fundado em 1911 e que teve como redatores: PEDRO A. DA SILVA e ADELINO A. CARVALHO) e o EVOLUÇÃO de ALTINÓPOLIS.
No entanto, não há no Museu os exemplares para o ano de 1918 de nenhum deles e quem sabe alguém da cidade ainda possua algum exemplar.

TEXTO DE INTRODUÇÃO

Pra começo de conversa, há 100 anos atrás, ou seja, em 1918, Batatais contava com 34.000 habitantes e possuía ainda seu último distrito, prestes a se tornar independente. O então distrito, chamava-se MATO GROSSO DE BATATAES, hoje, o município de ALTINÓPOLIS.

O jornal GAZETA DE BATATAES trazia os INDICADORES DA CIDADE, que informavam os nomes dos responsáveis pelos cargos e respectivos endereços dos juízes, promotor, delegado de polícia, cartórios, cadeia e fórum, coletorias, câmara municipal, prefeitura, agência dos correios de Batatais.

Era prefeito na época, o MAJOR JOÃO DE ANDRADE JUNQUEIRA, por alcunha JANJÃO DE ANDRADE (era agricultor na cidade) e o vice-prefeito JOSÉ ORDINE (comerciante na cidade), a maioria dos políticos filiados ao então PARTIDO REPUBLICANO PAULISTA (PRP). A Câmara Municipal e Prefeitura funcionavam na Praça Cônego Joaquim Alves.

No ano de 1918, tivemos alguns delegados de polícia, como JOSÉ MOLINA QUARTIM e ANTÔNIO DE AZEVEDO PEIXOTO, PAULO LACERDA; juiz de direito – DR. BAZILEU SOARES MUNIZ; promotor – DR. ALVARO BARBOSA; tabelião do cartório do 1º ofício – OVÍDIO TRISTÃO DE LIMA; tabelião do cartório do 2º ofício – CORONEL JOAQUIM MARQUES DE SOUZA; escrivão do cartório de registro e hipotecas – JUVENAL PEREIRA LIMA; escrivão do cartório de paz e registro civil – MANOEL RIBEIRO DE MATTOS; 1º juiz de paz – FRANCISCO MOREIRA; 2º juiz de paz – JOSÉ DE ANDRADE DINIZ JUNQUEIRA; agente do correio – JOSÉ PAULINO PINTO NAZÁRIO

Vale lembrar que em 1918 era prefeito pela 2ª vez da cidade de SP, eleito por voto direto, DR. WASHINGTON LUIS PEREIRA DE SOUZA (1917-1919).
E, era governador do Estado de São Paulo, o batataense Dr. ALTINO ARANTES (1916-1920).

Tínhamos dois times de futebol atuantes: BATATAES FOOT-BALL CLUB e RIACHUELO FOOT-BALL CLUB

PARA O MÊS DE AGOSTO DE 1918, TEMOS A CIRCULAÇÃO DAS SEGUINTES NOTÍCIAS SELECIONADAS:

1- Há 100 anos, no dia 28 de julho de 1918, acontecia no salão da SOCIEDADE ITALIANA DE MUTUO SOCORRO (posteriormente o salão da SOCIEDADE SÃO VICENTE DE PAULO na Rua Coronel Joaquim Alves) a formação da nossa 1ª e assim chamada ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE BATATAIS. Neste dia vários comerciantes locais se reuniram para estabelecer o estatuto da 1ª ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE BATATAES, com a formação de uma diretoria provisória, cujos membros eram: presidente – JOSÉ ORDINE; vice-presidente – ARTHUR SCATENA; secretário – CARLOS TAMBELLINI; 2º secretário – JOSÉ BARBOSA DE MELLO; tesoureiro – HERMÍNIO LAZARINI. Formou-se uma comissão responsável pela elaboração do estatuto, a saber: PEDRO COUTINHO JÚNIOR, JOÃO CINALLI, JOSÉ POLYCARPO DOS SANTOS, JOÃO PAULINO DA COSTA, JOÃO PESENTI, ROMEU CORAUCCI e MANOEL CORREIA DE ALMEIDA.

2- Há 100 anos, além da ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE BATATAIS, outra instituição centenária foi o TIRO DE GUERRA, na época conhecido como TIRO 26, e que ficava na PRAÇA BARÃO DO RIO BRANCO que logo em início do mês de agosto de 1918 elegia uma nova diretoria. Tendo a frente da instituição à época, como instrutor, o SARGENTO JOÃO MARTINS. A então ‘nova’ diretoria ficou assim constituída: presidente – CORONEL MANOEL VICTOR NOGUEIRA; vice-presidente – DR. JOSÉ ARANTES JUNQUEIRA; tesoureiro – CORONEL OVÍDIO LIMA e secretário – JOSÉ BARBOSA DE MELLO. Conselho fiscal: DR. FREDERICO MARQUES, COLOMBO MASCAGNI e JAYME LEITÃO. Uma das notas de agosto nos traz a lista dos atiradores oficiais, quando excursionaram a pé para Ribeirão Preto, a saber: PERGENTINO PEREIRA, JOAQUIM MORAES, AGUINALDO PUCCINELI, PEDRO PRESENTI, JOÃO DE SOUZA, ARLINDO FARIA, ADELINO DE CARVALHO e GILBERTO. O percurso foi de 66 km!

3- Há 100 anos, na década de 10 do século XX, o Brasil ainda era agro-exportador de praticamente um único produto, o CAFÉ e isso provocou a entrada de diversos estrangeiros europeus e asiáticos no país. A imprensa local não ficou sem apresentar dados, como esse sobre o aumento do número de colonos japoneses vindos para o Estado de São Paulo. Conforme o jornal A GAZETA DE BATATAES de agosto de 1918, até o final do ano entrariam 60.000 pessoas vindas do Japão para a agricultura local.

4- Há 100 anos, no edifício inaugurado 1 ano antes (em 1917), o antigo FÓRUM, CADEIA e QUARTEL, que ficava onde hoje temos CENTRO CULTURAL SERGIO LAURATO (antigo SESI), funcionava a sede da GUARDA NACIONAL (organização das Forças do Exército de 2ª Linha) na cidade, representada pelos coronéis MANOEL VICTOR NOGUEIRA e GABRIEL DE ANDRADE JUNQUEIRA; à época quem dava assistência médica semanal aos detentos era o DR. JOSÉ GARCIA DE BARROS.

5- Há 100 anos, a 1ª GUERRA MUNDIAL caminhava para seu desfecho e o Brasil, de acordo com a imprensa local, iria instituir uma lista negra de empresas que mantinham relações comerciais com a ALEMANHA. O jornal do mês de agosto de 1918 da GAZETA DE BATATAES apresenta o nome de dois brasileiros que se destacaram nos combates na frente francesa: GUSTAVO GÉLAS e ANTONIO TORRES GUIMARÃES.

TEXTO DE ENCERRAMENTO
Esta foi mais uma pílula da história com a informação de fatos e notícias que circulavam nos jornais de Batatais há 100 anos atrás e que estão disponíveis no Museu Histórico e Pedagógico Dr. Washington Luís.
Pesquisa: Professora Luciana Squarizi.
Realização: Departamento Municipal de Cultura.

Posts Relacionados

Marcadores

Compartilhe